Mostra DOCSP

2, 3 e 4 de outubro de 2017, na Unibes Cultural, exibições de filmes de documentário com um espaço de debate junto aos criadores.

Ingresso gratuito

Out

02

NO HOME MOVIE

19:30 HS / Unibes Cultural, Rua Oscar Freire 2500, SP.

Chantal Akerman / França - Bélgica / 2015 / 115'

Mais info

Ocultar info

Sinopse:

Este filme é acima de tudo sobre minha mãe tardia. Sobre esta mulher que veio para a Bélgica em 1938, fugindo da Polônia, das perseguições permanentes e dos abusos. Esta mulher que só vemos no apartamento dela em Bruxelas. É um filme sobre o mundo em mudança que minha mãe não vê.

Diretor: Chantal Akerman / Produtor: Patrick Quinet, Serge Zeitoun & Chantal Akerman / Montagem: Claire Atherton / Vendas internacionais: Doc & Film

País: França - Bélgica / Ano: 2015 / Duração: 115'

Após o filme, diálogo aberto com:

Claire Atherton

Claire Atherton é montadora de filme, nascida em 1963 em São Francisco – Estados Unidos. Ela foi atraída desde muito jovem pela filosofia taoísta e por ideogramas visuais. Em 1986, Claire começou a trabalhar com Chantal Akerman em “Cartas a Casa”, que marcou o início de 30 anos de colaboração até o último filme de Akerman “Não é um filme caseiro”, e última instalação “Agora”. Claire Atherton também trabalhou como editora com uma ampla variedade de diretores, jovens cineastas e estudantes de cinema.

Ingresso gratuito

Out

03

OLEG E AS ARTES RARAS

20:00 HS / Unibes Cultural, rua Oscar Freire 2500, SP.

Andrés Duque / Espanha / 2016 / 66'

Mais info

Ocultar info

Sinopse:

Oleg Nikolaevich Karavaichuk aos 89 anos continua a ser uma figura controversa e enigmática para a cultura russa. Quem é esse homem que parece ser de uma história de Gogol? É um servo do Tsar Nikolas II a quem o piano do palácio lhe foi confiado para manter vivo o espírito de outros tempos? Oleg desafia com sua arte a identidade de seu país transformando-se e reinventando-se a cada momento.

Diretor: Andrés Duque / Produtor: Marta Andreu, Tania Balló, Serrana Torres / Empresa Produtora: Studi playtime - Intropiamedia / Fotografia:Carmen Torres / Montagem: Félix Duque / Som: Boris Aleksev / Música: Oleg Karavaichuk / Elenco principal:Oleg Karavaichuk

País: Espanha / Ano: 2016 / Duração: 66'

Prêmios e festivais:

Estreia em Rotterdam, Punto de vista (primero premio), Lincoln Center, Play-Doc, BAFICI, D’A (premio de melhor diretor), Beat Film Festival, Bilrausch, Olhar de Cinema, Munich Film Fest, États Géneraux du Film Documentaire, Riviera Maya, Lima Independiente, Odessa International Film Festival, New Horizons, DokuFest, Viennale, FIDOCS, Docs Lisboa, RIDM, FICCALI, Torino Film Festival, European Film Awards…

Após o filme, diálogo aberto com:

Marta Andreu

Foi coordenadora do Mestrado em Documentário Criativo da Universitat Pompeu Fabra, em Barcelona de 2001 até 2016. Em 2004, criou a produtora Estudi Playtime, com foco em documentários de criação. Desde 2009, é parte da equipe do DocMontevideo. Em 2015, ela criou o Walden, um espaço para assessoria de roteiros de documentários. Ela realiza oficinas e seminários sobre documentário criativo na Europa, América e África, e tem sido consultora e membro do júri de festivais, mercados e instituições como World Cinema Fund (Alemanha), EICTV (Cuba), Lisbondocs (Portugal), Documentary Campus (Egito), DocsDF (México), entre outros.

Estreia em São Paulo | Ingresso gratuito

Out

04

Meu corpo é político

20:00 HS / Unibes Cultural, rua Oscar Freire 2500, SP.

Alice Riff / Brasil / 2017 / 72'

Mais info

Ocultar info

Sinopse:

Meu corpo é político aborda o cotidiano de quatro militantes LGBT que vivem em periferias de São Paulo. A partir da intimidade e do contexto social dos personagens, o documentário levanta questões contemporâneas sobre a população trans e suas disputas políticas.

Diretor: Alice Riff / Empresa Produtora: Studio Riff - Paideia Filmes / Produção executiva: Heverton Lima / Produção de campo: Thaisa Valadão / Fotografia:Vinicius Berger / Montagem: Yuri Amaral / Som: Tales Manfrinato

País: Brasil / Ano: 2017 / Duração: 72'

Prêmios e festivais:

Visions du Reel – Regard Neud Competition, Suíca | BAFICI – Human Rights Competition | Olhar do Cinema de Curitiba – Novos Olhares | Torino LGBT Film Festival | DocMontevideo.

Web: http://www.facebook.com/meucorpoepolitico

Após o filme, diálogo aberto com:

Alice Riff

Alice Riff é realizadora audiovisual. Estreou seu primeiro longa metragem no festival Visions du Réel, na mostra competitiva Regard Neuf. Entre seus trabalhos recentes estão Meu corpo é politico (2017, 71’), Orquestra Invisível Let’s Dance (2016, 19’), 100% Boliviano, Mano (2014, 13’), Histórias que nosso cinema (não) contava (2017, 82’, como produtora executiva).

Heverton Lima

Heverton Lima é produtor executivo e sócio da Paideia Filmes. Entre os seus recentes trabalhos estão os documentários Meu Corpo é Político (52’/71’, 2017), selecionado nos festivais Visions du Réel e Bafici, e Platamama (80’, 2018); e as ficções Guigo Offline (52’, 2017) para a TV Cultura e o premiado Marina não vai à praia (17’, 2014). É mestre em cinema e TV pela ECA/USP e possui graduação em Cinema pela UFF e em Economia pela UNESP.