Programa Seminários DOCSP

SEMINÁRIOS DOCSP

Os seminários propõem uma viagem pelo universo da criação e produção do cinema de não-ficção contemporâneo. Este ano compartilhamos os olhares de quatro criadores e pensadores: Jean-Louis Comolli (FR), Marta Andreu (ES), Sérgio Oksman (BR) e Karem Harley (BR). Também abordamos um novo foco em narrativas imersivas (Realidade Virtual, V360, Realidade Aumentada) junto ao National Film Board of Canada, para nos aproximar das novas tecnologias e as possibilidades criativas que nos oferecem. Nas Conferências de indústria 2016: O Chile foi o nosso pais convidado.

 

Seminário de Montagem

Diálogo com Karen Harley 

27 de SETEMBRO| 9:30 – 13:00

Karen Harley

Montadora e documentarista. Montou filmes dirigidos por Marcelo Gomes: Cinema, Aspirinas e Urubus, Era uma vez eu, Verônica, Viajo porque preciso, volto porque te amo codireção Karim Ainouz; Cláudio Assis: Baixio das Bestas, Febre do Rato, Big Jato, Matheus Nachtergaele: A Festa da Menina Morta, João Jardim e Walter Carvalho: Janela da Alma; Mika Kaurismaki: Mama Africa/Miriam Makeba, Brasileirinho, Moro no Brasil, Honey Baby; Lina Chamie: Os Amigos; Murilo Salles: O Fim e os Meios, Guilherme Coelho: Órfãos do Eldorado; Anna Muylaert: Que horas ela volta?; Lucrécia Martel: Zama, em fase de finalização. Dirigiu Lixo Extraordinário com João Jardim e Lucy Walker, entre outros.

MODERA:

Cléber Eduardo Miranda dos Santos

É mestre em Cinema pela ECA-USP com pesquisa sobre o documentário brasileiro contemporâneo. Curador da Mostra de Cinema de Tiradentes desde 2007, é professor e pesquisador no Centro Universitário Senac, onde ministra disciplinas sobre história do documentário, realização de documentário e cinema brasileiro contemporâneo. Na mesma instituição, desenvolve pesquisa sobre DRAMATURGIA DOS ESPAÇOS. Foi crítico das revistas Contracampo e Cinética.

Conferência Narrativas Imersivas

27 de SETembro | 14:30 – 18:00

Introdução nas tecnologias emergentes por Martin Viau, NFB.

Apresentação do departamento de produção interativa do NFB.
Equipamento, projetos, filosofia. Produção VR/AR
Introdução aos diferentes equipamentos para a produção em VR/AR

(*) A conferência terá tradução simultânea inglês-português

Conceitos e processos criativos em VR/AR por Maria Laura Ruggiero.

Martin Viau

(Canadá). É Chefe de Tecnologias do Estudio Interativo do National Film Board of Canada em Montréal. É responsável pela  manipulação e análises de novas linguagens de programação, e está atento às tendências das novas tecnologias de desenvolvimento, assim como potenciais parceiros tecnológicos. Também é responsável pelo broadcasting das experiência interativa produzida pelo estúdio. Contar uma história através da Realidade Virtual é, segundo ele, o futuro.

María Laura Ruggiero

Roteirista e produtora transmídia da SeirenFilms, uma empresa voltada para exploração de novas linguagens narrativas.. Organizadora do Transmedia Meetup Buenos Aires e diretora de StoryHackers, laboratório de narrações imersivas. NATPE Diversity Fellow e Emerging Producer. (2014). Docente de Disenho Transmedia na EICTV. Seu último projeto, Kintsugi, foi selecionado no Cross Video Days e no Festival de Cannes na categoria Cinema e VR.

SEMINÁRIO DOCUMENTÁRIO contemporâneo

Master Class Marta Andreu

28 de SETembro | 9:30 – 13:00 | 14:00 – 18:00

Marta Andreu

Desde 2001, ela é coordenadora do Mestrado em Documentário Criativo da Universitat Pompeu Fabra, em Barcelona. Em 2004, criou a produtora Estudi Playtime, com foco em documentários de criação. Desde 2009, é parte da equipe do DocMontevideo. Em 2015, ela criou o Walden, um espaço para assessoria de roteiros de documentários. Ela realiza oficinas e seminários sobre documentário criativo na Europa, América e África, e tem sido consultora e membro do júri de festivais, mercados e instituições como World Cinema Fund (Alemanha), EICTV (Cuba), Lisbondocs (Portugal), Documentary Campus (Egito), DocsDF (México), entre outros.

SEMINÁRIO DOCUMENTÁRIO CONTEMPORÂNEO

Master Class Sérgio Oksman

29 de SETembro | 9:30 – 13:00

Sérgio Oksman

Cineasta brasileiro radicado em Madri. Estudou jornalismo em São Paulo e Cinema em Nova Iorque. Ele é professor de cinema em Madri e dirige a Dok Films productions. Sua filmografia como diretor inclui “A Esteticista” (2004), “Goodbye, America” (2007), “Notes on the Other” (2009), “A Story for the Modlins (2012) e “O Futebol” (2015). Os seus filmes foram exibidos em mais de 250 festivais de cinema de diversos países (incluindo Sundance, Locarno e San Sebastián), e recebeu 93 prêmios internacionais (como Warsaw, Karlovy Vary e Clermont-Ferrand, entre outros).

Conferências de Indústria

29 de SETembro | 14:30 – 18:00

14:30-15:15 Coproduzir com Chile – Coproduzir com Brasil

Rachel do Valle

Rachel do Valle is the executive manager of Brazilian TV Producers, BRAVI’s international project conducted in partnership with Apex-Brasil (Brazilian Trade and Investment Promotion Agency). Journalist postgraduated in audiovisual management, Rachel is part of BRAVI team since 2009, after three years of experience in national and international distribution of Brazilian content.

Fernando Dias

Formado em Jornalismo, é sócio fundador da Grifa Filmes. Tem em seu currículo mais de 30 filmes, documentários, séries e programas de TV, sendo um dos pioneiros em coproduções internacionais. Foi presidente da BRAVI, onde desenvolveu Brazilian TV Producers em parceria com Apex-Brasil, Sebrae e Minc. Especialista em leis de incentivo brasileiras e do mercado internacional, ministra palestras e cursos em vários eventos no Brasil e no mundo.

Paola Castillo

Diretora e produtora de documentários como Allende Mi Abuelo Allende, Melhor Documentário no Cannes Film Festival de 2015; El salvavidas, premiado em dez festivais internacionais e 74 m² (Chile-EUA-Finlândia), entre outros. Ela é diretora executiva na Chiledoc, uma organização que apoia a distribuição internacional de documentários chilenos.

Francisco Hervé

Francisco Hervé é um diretor e produtor graduado pela Escuela Internacional de Cine y TV (EICTV) de Cuba. Seu documentário El Poder de la Palabra (2009) foi selecionado para o First Appearance do International Documentary Film Festival Amsterdam IDFA. Em 2012, participou do programa de formação para produtores Eurodoc com o filme la Ciudad Perdida (2016). Através da Panchito Films, Hervé também produz para outros diretores como Hija (2011) e Beaverland (2014), premiado no Sheffield DOC/FEST. Em 2012, ele participou do Eurodoc com seu filme “The Lost City”.

15:20-16:05 Visões sobre o documentário Latino-americano

Jose F. Rodriguez

José é director do Programa de Documentário no TFI, onde supervisiona o crescimento e financiamento para todos os fundos documentais, e esteve à frente do TFI Latin America Fund’s Filmmaker Workshop series. Nativo de Porto Rico, cresceu com uma paixão por filmes que o levaram à Universidade de Syracuse, onde escreveu o roteiro de um longa e dirigiu dois curtas. Depois de uma experiência como assistente do produtor Amy Hobby, estabeleceu-se em Nova York e tornou-se curador de roteiros para Overture Films, ao mesmo tempo em que trabalhava em comerciais, curtas e longas-metragens (incluindo Tze Chun’s Children of Invention e o documentário Poor Consuelo Conquers the World).

Orlando Senna

É um dos mais destacados teóricos do cinema brasileiro. Atualmente é membro do Conselho Superior da Fundação do Novo Cinema Latinoamericano e diretor de programação da CINEBRASiLTV. Foi diretor geral da TV Brasil, secretário de Audiovisual do Brasil e diretor geral da EICTV de Cuba. Dirigiu os longas-metragens de ficção Iracema e Gitirana e Diamante Bruto, entre outros. foi roteirista de O Rei da Noite, Abrigo Nuclear, Iremos a Beirute, entre outros. Seus filmes receberam prêmios em importantes festivais internacionais. Escreveu quase 30 obras de teatro e publicou vários livros.

Adriana González

Adriana González é diretora da Televisión Nacional del Uruguay (TNU). Geriu projetos culturais na Prefeitura de Montevidéu (1998-2000), trabalhou prestando assessoria técnica no órgão de audiovisual do Mercosul, RECAM (2005-2011), na coordenação geral do Instituto del Cine y Audiovisual del Uruguay desde sua criação até 2012 e assumiu a direção do Cine y Audiovisual Nacional de 2012 a 2015. É licenciada em Comunicação Social e especializada em Gestão e Políticas Culturais do Mercosul.

16:30-17:15 O mercado anglo-saxão de documentário

Heidi Tao Yang

Heidi atualmente administra os fundos Hot Docs Film onde supervisiona investimentos em documentários canadenses e internacionais. Nessa função, ela trabalha com cineastas de todo o mundo em seus projetos. Além disso, como programadora de Indústria e representante de Fundos & Negócios na Hot Docs, ela é curadora do  Deal Maker , um programa de pitching para os produtores que buscam financiamento internacional dos players no mercado. Heidi tem experiência em produção e desenvolvimento de audiovisuais de ficção e não ficção para cinema e TV, incluindo a supervisão de 30 horas de documentários televisivos e curtas de ficção.

Sylvia Bednarz

Sylvia trabalhou com produção de documentários para cinema e TV, começando sua carreira como coordenadora de produção do documentário longa-metragem The Age of Stupid. Atuou como produtora associada da Current TV, trabalhando juntamente com o editor comissionado em séries e filmes documentais do desenvolvimento à exibição. Antes de se juntar ao Doc/Fest, Sylvia foi diretora de desenvolvimento de negócios e produtora de filmes de festivais na plataforma digital de curta-metragens The Smalls.  Sua primeira participação no Doc/Fest como delegada foi em 2008. Desde então, todo ano ela colabora com eventos e produz sessões para o Festival, incluindo o primeiro BFI Live Pitch em Sheffield. Em 2013, ela juntou-se ao time do Doc/Fest como diretora de negócios e marketing.

Ana Julia Cury de Brito Cabral

Ana Julia Cury Cabral é Assessora Internacional da Agência Nacional de Cinema, onde é servidora desde 2010. Graduada em Comunicação Social pela Escola de Comunicação da UFRJ, com habilitação em Radialismo e Televisão, possui título de Mestre e Doutora em Comunicação e Cultura pela mesma instituição. Em sua tese de doutorado, desenvolveu pesquisa comparada sobre as políticas públicas e os mercados dos cinemas brasileiro e argentino nos anos 1990.

17:20-18:05 Histórias que Ficam: caminhos para a distribuição do documentário brasileiro

Cléber Eduardo Miranda dos Santos

É mestre em Cinema pela ECA-USP com pesquisa sobre o documentário brasileiro contemporâneo. Curador da Mostra de Cinema de Tiradentes desde 2007, é professor e pesquisador no Centro Universitário Senac, onde ministra disciplinas sobre história do documentário, realização de documentário e cinema brasileiro contemporâneo. Na mesma instituição, desenvolve pesquisa sobre DRAMATURGIA DOS ESPAÇOS. Foi crítico das revistas Contracampo e Cinética.

Silvia Cruz

A Vitrine Filmes foi fundada em 2010 por Silvia Cruz, visando preencher uma lacuna na distribuição de filmes no Brasil com títulos principalmente brasileiros e de perfil mais alternativo, premiados em festivais nacionais e internacionais. Dentre os mais de 60 títulos no mercado estão Hoje eu quero voltar sozinho, de Daniel Ribeiro, com mais de 200 mil espectadores, e Aquarius e O som ao redor, de Kléber Mendonça Filho.

Fábio Lima

Diretor executivo do Sofa Digital, agregadora preferencial de filmes da Itunes América Latina e GooglePlay, Youtube e NOW para modelo de VOD Transacional. Foi diretor da Mobz, distribuidora digital. Foi sócio e fundador da Rain Network, empresa de distribuição digital para cinemas independentes, onde trabalhou como diretor de operações. É também professor de distribuição digital no curso de formação executiva em cinema da FGV.

18:10-18:55 A Casa do Documentário – a experiência UnionDocs e a formação de público

André Sturm

André Sturm é Diretor Executivo do Museu da Imagem e do Som, instituição da Secretaria de Estado da Cultura. Sturm foi responsável de criar espaço para novos artistas por meio de convocatórias nas áreas de Cinema, Fotografia e Artes, entre outras. Sob sua direção, o museu superou seu recorde de visitantes, ultrapassando 600 mil pessoas no ano. Além de diretor do MIS, é presidente do programa Cinema do Brasil. Foi Coordenador da Unidade de Fomento e Difusão de Produção Cultural (Secretaria de Estado da Cultura – São Paulo, de 2007 a 2011) e presidente do SIAESP (Sindicato da Indústria Audiovisual Estado de São Paulo). Em 1989 criou a Pandora Filmes, distribuidora de filmes de produção independente, pioneira neste segmento no Brasil.

Steve Holmgren

Steve Holmgren é produtor e curador, trabalhando principalmente com cinema independente. Produtor executivo INAATE/SE; chefe do comitê consultivo do UnionDocs; trabalhou em vários festivais de filmes – incluindo Robert Flaherty Film Seminar, Tribeca e Sound Unseen; com venda na Cactus Three e distribuição na Gartenberg Media Enterprises; como palestrante em fóruns incluindo IFP New York, Sundance, Berlin, Rotterdam e Visible Evidente; júri em festivais e mercados como CPH: PIX, Oberhausen, Black Maria e the Riviera Maya Coproduction Lab; e avaliação de concessão de prêmios na Creative Capital e Brooklyn Arts Council.

Modera APACI:

Regina Jehá

Regina Jehá iniciou sua carreira na Universidade de São Paulo onde estudou Cinema e Ciências Sociais. Seus documentários receberam inúmeros prêmios no Brasil e participaram de importantes festivais internacionais como Berlim, Nyon, Oberhausen e Clermont-Ferrand. No momento, prepara o lançamento do documentário “Henry Kayath, o homem e seu tempo “ e a pré-produção de um filme sobre o artista Frans Krajcberg.

SEMINÁRIO DOCUMENTÁRIO CONTEMPORÂNEO

Master Class Jean-Louis Comolli

30 de SETembro | 9:30 – 13:00 || 14:30 – 18:00

Jean- Louis Comolli

Escritor, editor e diretor de filmes. Foi editor-chefe do “Cahiers du cinéma” de 1966 até 1978. Ele escreveu “Cinéma contre espectacle” e “Voir et Pouvoir – L’innocence perdue: cinéma, télévision, fiction, documentaire “. Estes trabalhos foram importantes para a discussão da teoria do dispositivo, uma tentativa de repensar o cinema como um local para a produção e manutenção de uma ideologia estatal dominante após Maio de 1968. Depois do período em que passou no “Cahiers du Cinéma”, Comolli continuou seus trabalhos como diretor e publicou vários artigos sobre a teoria do cinema, documentário e jazz. Ele é professor de teoria do cinema na Univeridade de Paris VIII, Barcelona, Estrasburgo e Genebra. Em 2008, Comolli foi convidado para o festival de documentário  “Visions du réel” em Nyon, Suíça, onde ele desenvolveu sua teoria do cinema documental.

Local: Teatro Unibes Cultural | Rua Oscar Freire 2500, SP.